Análise do Filme: À Nós a Liberdade - v. 03

R$ 19,90

À Nós A Liberdade, de René Clair, é um dos filmes clássicos do cinema mundial, produzido na França, em 1931, e que inspirou Tempos Modernos, de Charles Chaplin (de 1936). Podemos considerar À Nós A Liberdade, uma dos primeiros filmes a tecer, com poesia e humor, uma critica visceral da sociedade industrial baseada na produção fordista-taylorista. Ao buscarem uma vida plena de sentido, Émile e Louis, personagens de À Nós A Liberdade, consideram a liberdade e, por conseguinte, a felicidade, valores universais incapazes de serem alcançados sob a ordem sócio-metabólica do capital baseada no trabalho estranhado. Talvez Émile e Louis sejam portadores dos ideais clássicos da Revolução Francesa de 1789 - Liberté, Egalité e Fraternité, frustrados pela burguesia ao tomar o poder. No filme, Émile e Louis buscam a realização pessoal através do ócio. Eles fogem irremediavelmente da modernidade-máquina e das disposições sistêmicas do trabalho estranhado com a lógica férrea do capital. Ora, a busca do ócio como atividade exclusiva é sintoma de uma sociedade do trabalho abstrato, onde a atividade humano-genérica do trabalho perdeu seu sentido de vida. Sob tal sistema social, trabalho tende a significar servidão e morte, possuindo, deste modo, um valor negativo. É tal significação estranhada do trabalho que levam Émile e Louis, os dois personagens de À Nós A Liberdade, a buscarem, a seu modo, um outro caminho.

 

Informações adicionais

Autor Giovanni Alves
Acabamento CD-Rom
ISBN 978-85-7917-089-8
Ano de Publicação 2010
Edição 1
Sobre o autor Professor livre-docente de sociologia da UNESP - Campus de Marília, pesquisador do CNPq. Líder do Grupo de Pesquisa “Estudos da Globalização”, coordenador-geral da Rede de Estudo do Trabalho (www.estudosdotrabalho.org), projeto “Núcleo de Estudos da Globalização” (http://globalization.cjb.net) e do projeto de Extensão Tela Crítica (www.telacritica.org)
• Prazo para postagem:
• Código do produto: 401A09
• Quantidade mínima: 1
Veja também